Guia completo de como economizar dinheiro de verdade

Guia completo de como economizar dinheiro de verdade

A vida é movida por sonhos. Afinal, eles são o combustível que traz a força de vontade necessária para que alguém acorde todos os dias de manhã com a motivação para alcançar um determinado objetivo. Contudo, para transformar esse desejo em realidade, não basta apenas força de vontade: é preciso desenvolver algumas habilidades, sendo que uma das mais importantes é saber como economizar dinheiro.

Caso não aprenda essa capacidade, você não terá as condições necessárias para viabilizar um grande investimento, como realizar o sonho de comprar uma casa própria. Mesmo que a sua intenção seja por contratar um financiamento imobiliário, para que o banco conceda esse empréstimo, será preciso ter recursos próprios para quitar uma parte considerável do valor a ser pago no imóvel na forma de entrada.

Leia este artigo até o final e descubra o que é necessário saber para conseguir juntar dinheiro todos os meses. Vamos começar?

A importância do planejamento financeiro e como fazer o seu

Para muitos especialistas em finanças pessoais, o planejamento financeiro é fundamental para que uma pessoa consiga alcançar os seus objetivos. Por meio dele, é possível entender a forma com que cada um lida com o seu dinheiro.

Assim, ao utilizar essa ferramenta em seu dia a dia, uma pessoa tem uma maior consciência do que é preciso fazer para alcançar um determinado objetivo. Isso gera um maior domínio sobre os gastos e evita a realização de compras supérfluas e impulsivas, as quais podem causar endividamento.

Qual é a importância do planejamento financeiro pessoal?

Devido ao desenvolvimento da economia brasileira, surgiram nos últimos anos uma grande variedade de crédito. Com isso, se tornou fácil antecipar o consumo, pois é possível dividir uma compra em diversas parcelas no cartão de crédito, usar o cheque especial ou contratar um empréstimo bancário.

No entanto, como é fácil obter esses recursos, aumentaram-se as chances de que uma pessoa perca o controle sobre suas contas e se endivide. Por isso é importante fazer um planejamento financeiro pessoal, pois permite determinar o quanto se pode gastar, evitando a realização de compras desnecessárias e o endividamento.

Como fazer um planejamento financeiro?

1. Entenda como você lida com o dinheiro

Cada pessoa tem um perfil de consumo. Enquanto alguns conseguem gastar menos do que ganham e, consequentemente, poupar parte de seu salário, outros são impulsivos, sempre comprando algo que não devia e se endividando.

Portanto, para montar um bom planejamento financeiro, o primeiro passo é entender como você lida com o seu dinheiro e como estão as suas finanças pessoais. Assim, será possível saber o que será preciso fazer para conseguir ter uma boa saúde financeira.

2. Defina os seus objetivos

O segredo de todo planejamento é saber até onde se deseja chegar. Por isso, é importante definir um objetivo. Contudo, é fundamental que ele seja realista, pois não adianta desejar juntar o valor total de um apartamento em um ano se o seu salário for de apenas R$ 2 mil.

Para se manter motivado, a dica é quebrar o objetivo principal em metas menores, os quais são mais fáceis de se fazer. Portanto, se o seu desejo é por comprar um imóvel que custa R$ 200 mil e, por esse motivo, precisa de R$ 40 mil para ser usado para quitar a entrada, que tal ter a meta de guardar R$ 5 mil anualmente durante os próximos quatro anos?

3. Conheça as suas receitas e despesas

Para fazer um bom planejamento financeiro, é fundamental saber o seu faturamento e o quanto você gasta mensalmente. Isso permite descobrir como é o seu perfil de consumo, de modo a identificar onde estão as principais despesas e os gastos supérfluos.

Ao ter esse conhecimento, se consegue definir quais são os custos que poderão ser diminuídos ou cortados, para poder sobrar mais dinheiro no final do mês.

4. Aprenda a poupar e investir dinheiro

Pode parecer óbvio, mas o principal motivo do endividamento é gastar mais do que se ganha. Logo, é fundamental ter as suas despesas inferiores ao seu faturamento. Quando isso acontece, sobra dinheiro no final do mês, o qual pode ser aplicado em uma poupança ou em qualquer outro investimento.

No entanto, não basta apena saber poupar dinheiro. É preciso ter um conhecimento básico sobre investimentos para conseguir fazer com que as suas reservas rendam bons juros, de modo a acelerar a realização de um determinado objetivo.

5. Tenha uma reserva para emergência

Mesmo que se tenha um plano, nem sempre ele acontece conforme foi planejado. É normal acontecer alguns imprevistos que podem atrasar a realização de um sonho. Por isso, é fundamental se prevenir financeiramente para que, caso algo ocorra, não prejudique as suas finanças.

Portanto, é recomendado que se crie um fundo de emergência para ser usado nessas situações adversas. O valor dessa reserva varia de acordo com o estilo de vida de cada pessoa, sendo que ela deve ser maior para aquelas que estão sujeitas a riscos maiores, como a existência da probabilidade de perder o emprego.

5 dicas de controle financeiro para o dia a dia

1. Conheça todas as suas despesas

Para conseguir fazer um bom controle de suas finanças, o primeiro passo é descobrir para onde vai cada centavo de seu salário. Registre em uma planilha tudo o que você gastou durante o dia — até mesmo um simples cafezinho — e separe essas despesas em categorias, como alimentação, transporte, moradia, lazer e vestuário.

Com isso, fica mais fácil entender o seu padrão de consumo, permitindo perceber onde estão concentradas as suas maiores despesas.

2. Classifique os seus gastos

Para poder diminuir o seu custo mensal, é preciso definir quais serão as despesas que poderão ser cortadas ou diminuídas. Para isso, após descobrir todos os seus gastos, classifique-os em “necessários” ou “dispensáveis”. Como é fácil perceber, o nome já indica o que deve ser feito, assim, se possível, reduza os custos necessários e elimine o máximo dos dispensáveis.

Tome cuidado para não ser muito radical, pois, para economizar dinheiro, não é preciso ter um estilo de vida franciscano. Basta reduzir alguns custos e evitar excessos. Por exemplo, em vez de ir semanalmente a restaurantes, que tal jantar fora apenas uma vez ao mês? O ideal é não radicalizar, caso contrário, além de ser penoso, você não conseguirá manter essas mudanças por muito tempo.

3. Tenha um orçamento mensal

Outra boa dica para se ter um maior controle sobre as suas finanças é definir um orçamento mensal. Existem várias formas de fazer isso, sendo que uma das mais eficientes para quem deseja economizar dinheiro é a regra 50-30-20.

Nela, a sua renda mensal é dividida em 3 partes:

  • na primeira, você comprometerá cerca de 50% de sua renda mensal em gastos essenciais, como alimentação, moradia, transporte, educação etc.;
  • na segunda parte, 30% de sua renda será usada para manter o seu estilo de vida, como hobbies e lazer;
  • já na terceira, a qual corresponde 20% do faturamento mensal, é usada para as prioridades financeiras, como pagar uma dívida ou fazer um investimento.

4. Liquide primeiro suas dívidas

Caso você esteja endividado, antes de pensar fazer qualquer investimento, o seu foco deve ser primeiro liquidar os seus débitos. Afinal, devido à cobrança de juros, o recomendado é que se pague o mais rápido possível todas as suas dívidas.

Uma boa dica é conseguir renegociar esse débito ou trocá-lo por um mais barato. Assim, você terá que pagar menos juros e conseguirá sair o mais rápido possível dessa situação.

5. Faça um acompanhamento de suas metas

Conforme foi dito, para conseguir alcançar um determinado objetivo — como comprar o seu primeiro apartamento —, é preciso dividi-lo em metas menores. Assim, você terá uma tarefa mais simples de ser feita e conseguirá ver com mais facilidade o resultado de seu esforço, a ponto de trazer mais motivação.

No entanto, não adianta nada ter uma meta se não existe um certo acompanhamento. Por isso, durante o mês, analise o seu desempenho, verificando se tudo está ocorrendo conforme foi planejado ou se precisará fazer algo mais para atingir o resultado esperado.

5 dicas para economizar no seu dia a dia

1. Compre somente o que realmente precisa

Todos os dias, somos bombardeados por uma infinidade de anúncios. Além disso, todas as lojas comerciais são planejadas para estimular o consumo, de modo a fazer um cliente desprevenido gastar mais do que deveria. Caso isso aconteça, existe uma grande possibilidade da pessoa perder o controle de suas finanças.

Por isso, antes de fazer uma nova compra, sempre pense se ela é realmente necessária ou se é apenas um desejo momentâneo. O ideal é nunca adquirir algo por impulso, sendo recomendado que se espere alguns dias antes de realizar uma aquisição.

O supermercado é um outro local que foi criado cheio de armadilhas. Para evitar levar produtos desnecessários para casa, nunca vá até ele sem uma lista de compras ou com fome — isso faz com que você tenha foco e não seja vencido por tentações.

2. Compare os preços antes de comprar

Pode parecer simples, mais muitas pessoas têm preguiça de comparar preços, principalmente entre lojas físicas. No entanto, esse simples ato é responsável por uma economia de até 20% em suas compras mensais.

Caso o seu desejo seja por adquirir algo pela Internet, fica ainda mais fácil fazer comparações. Existem diversos sites que fazem esse tipo de serviço gratuitamente e de forma rápida.

3. Tente fazer compras com desconto

Apesar de parecer óbvio, muitas pessoas não conseguem bons descontos em suas compras por não saber pechinchar. É comum muitos lojistas deixarem no preço de seus produtos uma pequena margem para ser dada como desconto aos seus clientes. Por isso, ao fazer uma aquisição em uma loja física, não tenha vergonha, sempre peça ao vendedor para diminuir o preço.

Caso a compra seja feita pela Internet, também é possível conseguir bons descontos. Atualmente existem portais de cash back, os quais devolvem ao consumidor uma pequena porcentagem do valor da aquisição. Além disso, também existirem cupons de desconto e promoções relâmpagos enviadas por e-mail.

Agora, independentemente de como seja a loja (física ou online), é possível conseguir bons descontos ao fazer uma compra à vista. Muitos comerciantes veem com bons olhos esse tipo de negociação, pois eles recebem o dinheiro da venda em uma única vez, o que favorece o seu fluxo de caixa e minimiza o seu risco de calote.

4. Utilize o cartão de crédito apenas quando trouxer benefícios

Não é segredo para ninguém que o cartão de crédito é uma grande armadilha para quem não tem controle em sua vida financeira. Devido à sua facilidade de uso, é comum as pessoas fazerem compras que não deveriam e acabam se endividando. Contudo, quando bem usada, essa forma de pagamento pode trazer grandes benefícios.

A maioria das empresas de cartões possuem o seu programa de pontos, os quais são distribuídos de acordo com o uso de seu cliente. Assim, ao acumular uma determinada pontuação, é possível trocá-la por produtos, milhas e serviços.

Além disso, as operadoras dão benefícios aos consumidores. É possível conseguir bons descontos nas mais diversas lojas, além de oferecer tratamento VIP em alguns locais, como em aeroportos.

5. Pense em longo prazo

Como não existe uma educação financeira forte no Brasil, é algo comum as pessoas pensarem apenas no presente. Isso faz com que elas gastam toda a sua renda em compras supérfluas, esquecendo que é saudável poupar parte de seus ganhos para conseguir alcançar um objetivo financeiro maior.

Assim, seja para manter as aparências ou apenas para viver de forma melhor, é normal as pessoas terem um padrão de vida que não conseguem pagar. Ter um carro bom e caro é o sonho de muitos brasileiros, no entanto esse bem é um passivo, ou seja, ele desvaloriza com o tempo. Então qual é a vantagem de comprar um que comprometa boa parte de seu faturamento mensal?

O importante é criar uma mentalidade de longo prazo, a qual substitui o prazer momentâneo por um benefício futuro — como deixar de pagar aluguel.

7 dicas para economizar nos gastos de casa

1. Não comprometa mais do que 30% da renda com moradia

Não existe uma regra clara, mas é recomendado que não se comprometa mais do que 30% de seu faturamento mensal com moradia — os gastos podem ser com aluguel, taxa de condomínio ou prestação do financiamento imobiliário. Caso a parcela de gasto passe disso, possivelmente você terá dificuldades para manter a sua situação financeira em dia.

Lembre-se: a compra da casa própria é um dos maiores investimentos que alguém pode fazer em sua vida. Por isso, essa é a única dívida aceitável dentro de seu orçamento.

2. Evite desperdícios

Caso não haja um certo cuidado com o consumo de sua família, existe um sério risco de que as contas de água e luz comprometam uma parcela significativa de seu orçamento mensal. Por isso, é necessário evitar o desperdício desses recursos e assumir um comportamento econômico.

Evite banhos muitos longos — afinal, além de influenciar no consumo de água, o chuveiro elétrico é um grande vilão na conta de luz. Também é recomendado deixar as luzes acesas apenas quando o cômodo estiver em uso e desligar os aparelhos da tomada.

3. Assine planos que atendam ao seu consumo

É tentador ter um plano de celular ilimitado ou ter em sua TV todos os canais possíveis. Contudo, será que você precisa disso tudo? Antes de fazer uma nova assinatura, avalie se não existe um plano mais barato que atenda às suas necessidades.

O mesmo vale para quando for trocar de aparelho celular. Será que justifica gastar um alto valor para ter a última novidade? Talvez o modelo do ano anterior ou de um padrão inferior, que é mais barato, tenha tudo que você precisa e consegue lhe atender bem.

4. Resista às tentações do supermercado

Dentro dos gastos essenciais, as compras de supermercado oferecem os maiores riscos de perder o controle. Para evitar cair em alguma tentação e comprar algo desnecessário, sempre faça uma lista do que é preciso antes de ir até à loja. Outra boa dica, que já comentamos antes e aproveitamos para reforçar, é nunca ir ao mercado com fome, pois possivelmente você não resistirá a alguma guloseima.

Também é possível economizar ao trocar as marcas tradicionais e caras por outras mais baratas. Nem sempre o produto de menor preço é de má qualidade.

5. Encontre meios de transporte mais baratos

Ter um bom carro na garagem é o sonho de muitos brasileiros, no entanto, será que é vantajoso ter esse bem? Como é possível perceber, o transporte é um gasto essencial que não deve ser cortado, porém esse custo pode ser diminuído.

Por isso, analise, dentre os diversos meios de transportes existentes, aquele que lhe trará mais economia. Caso você possua um veículo, coloque em sua conta a depreciação desse bem, o custo de manutenção e combustível. Assim, será possível avaliar se o carro realmente traz a vantagem que se espera.

6. Avalie o quanto pode ser gasto em saúde e educação

Muitas pessoas consideram como investimento as suas despesas com saúde e educação, transformando-as em um gasto essencial. Apesar de não poder ser cortado do orçamento mensal, existem formas de diminuir esses custos.

Caso você não abra mão de um plano de saúde, encontre um que esteja dentro de suas condições financeiras. Quanto à educação, apesar de muitos acharem fundamental seus filhos estudarem em uma escola particular, é possível economizar no transporte, no material escolar e na alimentação.

7. Tenha um padrão de vida que você possa manter

Por trabalhar exaustivamente, muitas pessoas acreditam que elas merecem poder fazer caras viagens, ir a restaurantes badalados ou comprar roupas de grife. No entanto, em muitos casos, esses luxos podem comprometer a saúde financeira de uma pessoa, endividando-a.

Como é necessário ter um momento de lazer, priorize as opções mais econômica e, se possível, as gratuitas. Você pode se divertir sem precisar gastar muito, caso exista em sua cidade, basta visitar museus, parques, praças ou frequentar o clube aos quais já é associado.

O mesmo pode ser feito com o vestuário. Ao invés de comprar roupas de grife, considere levar para casa uma marca mais barata. E lembre-se: evite fazer compras por impulso e, se possível, pague à vista.

Como investir o dinheiro economizado?

1. Conheça as diversas opções de investimento

Faz parte da cultura do brasileiro investir o seu dinheiro economizado na caderneta de poupança. No entanto, para quem deseja conseguir bons lucros, isso é um péssimo investimento. Já que, nos últimos anos, aumentou as opções de aplicações que uma pessoa física pode fazer, as quais proporcionam um rendimento melhor e com os mesmos riscos.

No entanto, para maximizar ganhos e diminuir riscos, é fundamental conhecer os diversos tipos de aplicações para saber o que se está fazendo. Além disso, é preciso ter uma estratégia coerente com os seus objetivos financeiros.

2. Não espere saber tudo para começar

Apesar de o conhecimento em investimentos ser fundamental para conseguir bons lucros, não é preciso saber tudo sobre o assunto para fazer as suas primeiras aplicações. O ideal é, assim que começar os seus estudos, realizar pequenos investimentos para ganhar confiança e se sentir mais seguro.

O ideal é que se comece aplicando em renda fixa, principalmente nos títulos oferecidos pelo Tesouro Nacional. Assim, com o passar do tempo, o investidor consegue a segurança e o conhecimento que lhe permite fazer investimentos mais arriscados, do tipo renda variável — como comprar ações na Bolsa de Valores.

3. Tenha metas

Como é possível perceber, para alcançar um objetivo é preciso ter metas. Com os investimentos não é diferente, sendo que é recomendado colocar no papel o que se pretende alcançar em curto, médio e longo prazo.

Isso pode parecer bobagem, mas colocar as metas no papel é uma técnica muito utilizada por muitos especialistas em finanças. Assim, cria-se um comprometimento com o objetivo, o que permite traçar um plano de ação.

4. Invista primeiro, viva depois

Para muitas pessoas, uma das maiores dificuldades que as impendem de investir é não sobrar dinheiro no final do mês para fazer as aplicações. Para evitar essa situação, o ideal é mudar a forma com que você lida com as suas finanças.

Ao invés de esperar sobrar dinheiro para poder fazer um investimento, transforme essa ação em uma despesa essencial. Assim, você criará a mentalidade de ter a obrigação de sempre guardar um certo valor todo mês. Outra boa dica é, sempre após receber o seu salário, invista parte dele, deixando o restante de seu faturamento para as outras atividades de seu dia a dia.

Como é possível perceber, independentemente de qual seja seu sonho, é possível realizá-lo caso você saiba como economizar dinheiro. Desse modo, mesmo um objetivo que pode parecer impossível em um primeiro momento, como adquirir um apartamento, se torna realista.

Caso você tenha gostado dessas dicas e deseja receber outros artigos em sua caixa de e-mail, não deixe de assinar nossa newsletter. Até a próxima!

Faça seu cadastro e receba tudo por email!

Confira também

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *