Orçamento anual: como fazer e planejar suas finanças no ano novo

Orçamento anual: como fazer e planejar suas finanças no ano novo

O ano já começou, mas quem ainda não se planejou, pode organizar o orçamento anual. Neste post você entenderá a importância do planejamento financeiro, e poderá conferir dicas de como fazer essa preparação de forma eficiente, para que suas finanças se mantenham saudáveis no decorrer do ano.

Continue a leitura e confira boas práticas para organizar seu orçamento que pode, inclusive, ajudar na hora da compra de um imóvel. Boa leitura!

Por que fazer um orçamento anual

Organização é a palavra-chave para quem quer juntar dinheiro e manter as finanças em dia — e para aqueles que querem ter a vida financeira sob controle. O orçamento anual facilita muito a vida de quem tem diferentes necessidades, como comprar um imóvel ou um veículo, viajar, começar os estudos, investir na formação dos filhos etc.

Além de ajudar a colocar em prática os seus planos, o planejamento financeiro também possibilita que você guarde dinheiro, dentro das suas possibilidades, para eventuais emergências e até mesmo para investimentos. As chances de as contas ficarem no vermelho diminuem com a organização das finanças, bem como o consumo desenfreado.

É possível fazer esse planejamento de diferentes formas, e você tem a possibilidade de encontrar uma que se encaixe melhor na sua rotina e hábitos. Seja pela internet, com planilhas e até mesmo com papel e caneta, é viável e simples dar os primeiros passos em busca do planejamento da vida financeira.

Como fazer um planejamento financeiro

O primeiro passo é fazer um balanço dos últimos meses. Analisando o comportamento financeiro passado, é possível entender hábitos que precisam ser adotados e aqueles que devem ser deixados de lado. Após essa análise, é necessário pensar no seu objetivo.

O orçamento anual terá qual finalidade e impacto na sua vida financeira? Sua necessidade pode ser juntar dinheiro, entender como gasta sua renda, a compra de um patrimônio, a quitação de uma dívida ou manter as finanças organizadas. Reconheça o seu objetivo e a tenha-o sempre em mente.

O controle de receitas e gastos pode ser feito de várias formas, mas é preciso que se tenha organização para não se perder em meio às informações. Uma boa maneira de fazer o planejamento é com o auxílio de planilhas, que são práticas, acessíveis e ainda possibilitam que você monte da maneira que achar melhor.

Envolva toda a família

Se você tem esposa ou marido, filhos e outros parentes que morem na mesma casa, estimule que todos participem do planejamento financeiro familiar. As contas influenciam a vida de todos, e o engajamento de cada um é fundamental para que se alcance sucesso no orçamento anual.

A família deve estar consciente de qual é a situação financeira atual para que colaborem evitando gastos desnecessários, e contribuindo para juntar dinheiro e alcançar o objetivo traçado. Se houverem crianças que consigam assimilar parte das informações, também é ideal que elas participem. A educação financeira deve começar cedo para que os pequenos se tornem adultos que gastem de forma consciente.

Reavalie seus hábitos financeiros

Reavaliar os hábitos financeiros é uma necessidade primária para quem quer fazer o orçamento anual. E é preciso estar atento aos mínimos detalhes, já que, por vezes, nós não racionalizamos quando fazemos algum gasto, seja ele necessário ou não. Mesmo para quem vive confortavelmente, algumas atitudes podem fazer a vida financeira ficar mais saudável. Para realizar essa análise, você pode se fazer as seguintes perguntas.

  • Comparo preços antes de comprar? — É muito importante que você tenha esse hábito, visto que a variação de preços pode ser grande, até mesmo em compras cotidianas, como as de mercado. É preciso pesquisar para conseguir os melhores preços e poupar sempre que possível;
  • Compro apenas o que é necessário? — É interessante pensar se realmente o que você quer comprar é indispensável para a sua vida naquele momento. Muitas vezes nos deixamos levar pelo consumismo, o que pode comprometer o orçamento de um mês inteiro. Parar e pensar sobre aquela compra antes de se deixar levar pelo impulso é ideal para cortar gastos desnecessários;
  • Utilizo cartão de crédito apenas quando há vantagens? — É preciso ter cautela com o uso do cartão de crédito. Por vezes, gastamos demais, por não “estar vendo” o dinheiro, e o resultado é um susto quando a fatura chega. Por isso, é aconselhável que só se use o recurso quando for oferecida alguma vantagem;
  • Pago à vista para conseguir descontos? — A vergonha de negociar não pode existir! É uma prática comercial comum oferecer descontos quando o pagamento é feito à vista. Se essa vantagem não é oferecida durante a compra, o ideal é que você pergunte ao vendedor. Geralmente os comerciantes tentam a diminuição do valor para realizar a venda.

Entenda com o que gasta seu dinheiro

Às vezes o dinheiro vai embora e a gente nem vê com o que gastou, não é mesmo? Para evitar essa sensação de não saber com o que gastou, existem algumas estratégias que você pode colocar em prática. Uma delas é anotar tudo o que você gasta — pode ser em um papel ou na própria planilha do orçamento, se houver optado por ela. Lá você anotará todas as despesas:

  • contas em geral: luz, água, gás, aluguel, internet, cartão de crédito, etc;
  • alimentação: mercado, açougue, padaria, etc;
  • condução: gasolina, passagens de ônibus, etc;
  • lazer: cinema, shows, teatro, etc.

Com todos os gastos na ponta do lápis, você poderá analisar com o que está gastando seu dinheiro, e ainda perceber quais são os gastos desnecessários, cortando alguns deles nos próximos meses.

É claro que é possível ter gastos “a mais”, como uma roupa nova, um almoço ou lanche diferente do habitual, por exemplo. Por isso há o planejamento, para que você consiga atingir seu objetivo sem sacrificar coisas que você gosta de fazer, mas sem exagerar e gastar mais do que poderia. Entender com o que se gasta o dinheiro é racionalizar os gastos e repensar se eles estão adequados.

Faça uma planilha de gastos e ganhos

A planilha é sua aliada na organização. Como sugerimos, fica mais fácil de controlar os gastos, mas ela também pode ajudar a saber se as despesas são maiores ou menores do que a receita. Além disso, é possível identificar exatamente o quanto sobra ou falta ao final do mês.

Receitas

A receita é toda a sua renda, seu salário líquido e outra forma como você ganha dinheiro, como investimentos e rendimentos, e define o seu poder de consumo. Coloque na planilha apenas o que você realmente recebeu — se houver previsão de obter uma quantia extra, só insira quando o dinheiro estiver na sua conta ou em mãos. Contar com um valor que ainda não entrou, pode gerar dor de cabeça no futuro.

O limite do cheque especial e do cartão de crédito também não entram nesse levantamento. É importante lembrar que o crédito só deve ser usado em situações muito específicas, sendo o último recurso possível. As taxas de juro são altas e, sem planejamento, o uso desses artifícios pode se tornar um problema.

Despesas

Listar as despesas, como sugerimos, é o ideal para que se chegue ao valor gasto durante o mês corrente. As despesas fixas são as que não costumam variar — como o aluguel, internet, escola dos filhos, salário de empregado doméstico, entre outros. Os gastos semi-variáveis são aqueles que apresentam diferenças de um mês para o outro, como o valor da conta de luz, água, alimentação.

Os gastos invisíveis são pequenas despesas do dia a dia que levam o seu dinheiro sem que você perceba, como lanches na rua, pequenas idas ao mercado etc. É preciso refletir sobre esse tipo de despesa o tempo inteiro: elas são realmente necessárias naquele momento? Pondere e tome a decisão correta.

A diferença

Subtraia as despesas de suas receitas. Caso sobre alguma quantia ou esteja alinhado com o que você ganha, significa que há potencial para guardar dinheiro ou investir. Esse montante que restou pode se tornar uma reserva de emergência. Nessa retenção, procure manter o valor correspondente a seis meses de suas despesas — mas não tenha pressa, você conseguirá juntar o valor aos poucos.

Caso a conta esteja negativa, ou seja, faltando dinheiro no fim do mês, é necessário repensar e cortar gastos. Toda a família deve se reunir e ter uma conversa sobre a situação. Não necessariamente todos contribuam com a receita, mas todos estão envolvidos nas despesas.

Saiba quais são as suas dívidas

Se, no momento, você está endividado, é preciso listar todas as dívidas e seus respectivos valores. Tente, se possível, unificar as contas e transformá-las em uma única parcela. Para que você consiga pagar, terá que juntar o valor final. Nesse processo, evite ao máximo os gastos desnecessários. Fazer sacrifícios nesse momento é importante para que, no futuro, você e sua família tenham mais conforto financeiro e possam viver sem a preocupação que as dívidas geralmente causam.

Há outras estratégias que você pode tentar, como por exemplo, a renegociação da dívida com o banco ou instituição financeira, se for esse o caso. É possível conseguir também um bom acordo para que os juros não sejam abusivos e, dessa forma, a conta se tornar mais acessível para a quitação.

Tenha objetivos para usar o dinheiro

Muitos dos nossos sonhos envolvem a aplicação de dinheiro. Para alcançá-los de forma mais adequada, o planejamento é fundamental. Se você tem como objetivo a compra de um imóvel, por exemplo, o orçamento pode ajudá-lo a entender como é possível economizar e quanto tempo será preciso para a realizar a compra.

Tendo um objetivo em mente, você sempre se lembrará dele ao gastar o dinheiro e evitará despesas desnecessárias, já que elas o afastam do seu sonho. Por mais que você não tenha um objetivo relevante como esse, pense em outras coisas das quais você precisa e absorva isso no planejamento. Pode ser uma viagem, um curso que você sempre quis fazer ou um equipamento que lhe será útil. É mais fácil trabalhar as estratégias quando existe uma meta a ser alcançada.

Crie uma meta de poupança

Se a situação financeira é favorável para juntar dinheiro, adotar uma meta de poupança é uma ótima forma de aplicação do que sobra no fim do mês. Estabeleça, por exemplo, uma quantia para guardar durante todos os meses do ano, e se comprometa a não gastar o dinheiro. Dessa forma, você poderá guardar esse valor para alcançar um objetivo ou criar um fundo de reserva.

Mas seja realista, não crie uma meta inalcançável, que você não conseguirá juntar ou que comprometa o restante do orçamento — o mais importante é a constância e a persistência. Não deixe de depositar o valor em nenhum mês, e lembre-se de que para economizar mais é preciso cortar gastos desnecessários.

Você também pode aumentar a sua renda. Muitas pessoas fazem os famosos “bicos” para conseguir ter um rendimento a mais no final do mês — há aqueles que fazem e vendem docinhos, artesanatos, bijuterias. Alguns fazem tarefas freelancer, como escrever textos a serem publicados online ou trabalham como garçons e garçonetes em bares e boates aos finais de semana.

Aproveite para usufruir de um hobby que você tenha para ganhar dinheiro. Algumas pessoas gostam muito de se maquiar e começam a fazer maquiagem em amigas cobrando um pouco menos do que a faixa de preço. Outros usam da habilidade de fazer massagem, investem um pouco mais em um curso, mas recebem um retorno rápido e obtém um bom resultado financeiro. Aproveite o estímulo e faça grana extra com o que você gosta!

Mantenha a disciplina

Disciplina é a palavra-chave de todo esse processo. Ela se faz presente desde o início, no levantamento de receitas e despesas, passando pela anotação de todos os gastos e na alimentação das planilhas. A mudança de mentalidade pode ser desafiante, e cair em velhas tentações pode parecer inevitável.

É por isso que todos devem se manter focados nas metas, sempre racionalizando todos os gastos. É preciso estar sempre alerta para que pensamentos que desencadeiam o consumismo não rondem a cabeça, influenciando no desejo de comprar algo que não é necessário. Ter disciplina não é fácil, mas lembre-se do que o motivou a começar o planejamento financeiro. Quando tiver vontade de consumir algo supérfluo, recorde-se de que aquele sonho ficará distante a cada gasto desnecessário.

Estabeleça um dia na semana para acompanhar as finanças

Tire um dia na semana para observar seu planejamento financeiro e observe seus gastos para mantê-los sob controle. É importante que todos da casa estejam empenhados e anotando todos os gastos, até mesmo os mais cotidianos. No dia que for escolhido para acompanhar os dados, reúna a família e conversem sobre o assunto.

Todos precisam entender que esse dia é um compromisso, com hora marcada e inadiável. O início de um orçamento é difícil e surgirão muitas dúvidas. Por isso, o diálogo é importante para que um ajude o outro para dissolver essas questões com mais facilidade.

Criando-se o hábito de acompanhar o processo, com o desenrolar dos meses, a situação tende a ser encarada com mais facilidade. Esse encontro também é importante para reavaliar as metas. Se elas já foram alcançadas, está na hora de criar outras, e se está muito difícil cumpri-las, é o momento de repensar uma maneira para obter êxito.

Estude sobre outros assuntos

Para conseguir mais dicas e saber como otimizar sua vida financeira, estude sobre assuntos relacionados. Você poderá pesquisar sobre diferentes assuntos, como cálculo de juros, por exemplo, e como eles afetam seu orçamento — aliás, esse é um tema muito importante, e que poucas pessoas entendem como funciona.

Além do mais, estudar é sempre uma ótima ação, como saber um pouco mais sobre economia. Sob um ponto de vista amplo, você poderá assimilar informações sobre esse campo que é tão importante para o funcionamento de todos os países. Há, também, a possibilidade de compreender métodos de investimento, desde os mais simples até os mais complexos. Conheça alguns deles:

  • poupança: muito popular por ser um dos investimentos mais seguros existentes. No entanto, o rendimento da caderneta é baixo, cerca de 4,55%;
  • Tesouro direto: outro investimento seguro, está sendo chamado de “nova poupança”, com o adendo de que rende bem mais;
  • CDB: Certificado de Depósito Bancário também é um título de renda fixa muito popular. É emitido por bancos e muito seguro;
  • LCI e LCA: as letras de crédito imobiliárias e letras de crédito do agronegócio também são investimentos de renda fixa. O diferencial delas é serem isentas do imposto de renda;
  • ainda existem os fundos de renda variável, como as ações, fundos de ações e fundos imobiliários.

Estudando sobre isso, você saberá qual é o melhor plano para investir o dinheiro que você poupa, fazendo render mais e aumentando a sua rentabilidade. Saiba mais sobre o assunto e descubra qual é o seu perfil de investidor, o conservador, o moderado, ou o agressivo.

Viva de acordo com o seu padrão de vida

Ser realista e racional na hora de gastar é muito importante. Comprar para manter um padrão ou status que não corresponde aos seus rendimentos é um grande problema. Por isso, reavalie esse campo e tenha certeza de que não vale a pena se endividar para parecer ser algo que não é.

Outra dica importante é pensar além do presente. A compra que você faz hoje pode impactar seu futuro financeiro. Então, não se deixe levar pelo impulso, principalmente em épocas de promoções e vantagens tentadoras. Se você sentiu vontade de comprar algo, reflita sobre como pode impactar no seu orçamento.

Vantagens de um orçamento anual

Fazer um orçamento anual pode ser um pouco complicado no início, mas vale a pena pelas vantagens que agrega. Organizar a vida financeira traz tranquilidade, e se ver longe de dívidas e apertos gera qualidade de vida. Entre as vantagens de um orçamento anual estão:

  • é possível ter os gastos sob controle;
  • você passa a saber com o que gasta seu dinheiro;
  • observa-se resultados eficientes para a realização de sonhos;
  • toda a família conhece a situação financeira da casa;
  • todos cooperam para haver finanças saudáveis;
  • é possível viver de forma equilibrada sem abrir mão de comprar o que é preciso.

Não tenha dúvidas de que o orçamento fará com que a sua vida seja mais organizada e aproximará você de seus planos e sonhos. Ter a vida financeira saudável reflete em outros âmbitos da vivência das pessoas. Não há tensões, preocupações interferindo em outras relações, é uma parcela que ajuda no equilíbrio geral da vida.

Você conferiu a importância de se fazer um orçamento anual e leu algumas dicas de como começar o seu planejamento financeiro. Também foi possível compreender que reavaliar os gastos é muito importante para manter seus rendimentos saudáveis. Além disso, ainda aprendeu que a disciplina é a sua melhor estratégia para chegar mais próximo das suas metas e sonhos, além de conseguir se manter tranquilo com as finanças.

Com essas informações, você aprendeu que pode poupar dinheiro para realizar seus sonhos, não é mesmo? Então baixe agora mesmo o e-book “Como comprar meu apartamento?” e conheça alguns critérios para dar esse grande passo.

Faça seu cadastro e receba tudo por email!

Confira também

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *