Utilizamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

Financiamento de imóvel: veja 9 dicas para conquistar a casa própria

Financiamento de imóvel: veja 9 dicas para conquistar a casa própria

Sinal de independência e de progresso na vida, a casa própria está entre as principais metas da população brasileira. No entanto, como a vontade e a necessidade nem sempre vêm acompanhadas de dinheiro suficiente para realizá-las, grande parte das pessoas acaba adiando a conquista ou a mantém apenas no campo dos sonhos inalcançáveis.

O melhor de tudo é que, mesmo se não der para fazer a compra à vista, com o financiamento de imóveis você poderá concretizar o seu desejo. Confira, neste post, as 9 dicas que ajudarão na obtenção do crédito perfeito para o seu perfil!

1. Conheça o total dos rendimentos pessoais e familiares

O primeiro passo que você deve dar para seu financiamento de imóveis ser aprovado é saber com exatidão o total da sua renda pessoal ou familiar. Ter clareza quanto a esse valor é crucial, pois a partir dele é possível estabelecer a faixa de preço do apartamento que você poderá comprar.

Veja que a soma dos recursos pode ser dos ganhos de uma pessoa só ou abranger os rendimentos de vários integrantes do grupo familiar. Em ambos os casos, o valor comprovado será utilizado como base de cálculo para a instituição financeira avaliar a capacidade de pagamento ao analisar a sua solicitação do financiamento.

2. Entenda o seu orçamento

Assumir com tranquilidade as parcelas do seu futuro apartamento tem relação com um orçamento equilibrado. Para perceber se as suas finanças estão em ordem, compreenda como anda o seu orçamento.

Nesse sentido, considere as entradas de recursos mensais, some todas as suas despesas do período e as subtraia tudo isso do seu rendimento. O ideal é que você encontre um saldo positivo, com valor suficiente para cobrir a prestação do financiamento.

Se o saldo for zero ou se você notar a existência de dívidas, será preciso tomar providências que mudem tal contexto. Reduções e cortes de gastos podem ser necessários até que a situação consiga ser revertida.

Elimine o excesso de compromissos financeiros

3. Elimine o excesso de compromissos financeiros

Comprometer o mínimo possível dos ganhos mensais abrirá espaço no seu orçamento, de forma a comportar com tranquilidade as prestações do seu apartamento próprio. Para isso, é importante quitar os débitos em andamento, tais como parcelamentos de dívidas no cartão de crédito e prestações de compras.

Realizadas tais quitações, concentre seus esforços em não contrair novos débitos mensais. Uma boa maneira de atingir esse objetivo é se programar para as compras de maior valor — quando tais aquisições forem indispensáveis.

Evitar comprar por impulso e não parcelar no cartão as contas de casa e do supermercado são medidas úteis para escapar das famosas “bolas de neve” na vida financeira.

4. Faça uma simulação

Fazer uma simulação de financiamento é uma forma prática para você compreender o valor da prestação que cabe no seu orçamento. As boas construtoras permitem fazer a simulação pela internet sem nenhum compromisso.

Acessar o simulador de uma construtora com foco no Minha Casa, Minha Vida vai permitir, inclusive, saber o valor do subsídio previsto para a compra. Conhecer esse aspecto da aquisição talvez seja exatamente o que você precisa antes de dar o próximo passo e realizar o seu sonho.

Ao reunir informações sobre o valor da entrada e das prestações — e sobre o subsídio governamental, quando se tratar do MCMV —, você terá plenas condições de escolher o financiamento mais apropriado para o seu perfil.

5. Escolha o financiamento de imóvel certo para o seu perfil

No Brasil, existem várias linhas de crédito imobiliário — o que torna a casa própria acessível para muita gente. Portanto, você deve avaliar em qual delas você se enquadra de maneira mais confortável.

Com o financiamento diretamente com uma boa construtora, por exemplo, a aquisição do imóvel fica bastante facilitada — ainda mais se o imóvel estiver na planta, o que permite que o negócio seja fechado sem grandes burocracias e com um pequeno sinal.

Outro exemplo de crédito fácil é o programa Minha Casa, Minha Vida, do Governo Federal. Por ele, mesmo pessoas com pouca renda conseguem obter financiamento imobiliário. Além disso, existe a possibilidade do governo pagar parte do imóvel, o que torna a negociação ainda mais fácil.

Complementando essas modalidades de financiamento de imóveis, as alternativas para comprar parcelado incluem as demais linhas de crédito imobiliário em vigor no país. São os financiamentos operados pelo Sistema Financeiro de Habitação (SFH) e pelo Sistema Financeiro Imobiliário (SFI), além daqueles com recursos da carteira hipotecária.

Esses diferentes financiamentos se distinguem pelas taxas de juros e por índices adotados para a correção das parcelas. Outra característica que os diferencia entre si diz respeito aos recursos que cada um possibilita usar para a quitação ou a amortização da dívida.

Esteja em dia com as instituições de crédito

6. Esteja em dia com as instituições de crédito

No programa Minha Casa, Minha Vida, por exemplo, não existem regras que restringem o crédito para quem está negativado. No entanto, a pessoa que tem o nome sujo dá um claro indício de que a vida financeira não anda bem, e isso significa um problema para quem pretende assumir uma prestação.

Além disso, se o seu financiamento não for aprovado pelo programa do governo, você terá que recorrer a outra linha de crédito que exigirá o nome limpo. Portanto, se você está nessa situação, o melhor a fazer é regularizá-la antes de buscar financiamento.

Alcançar esse intuito demanda, logicamente, colocar em dia os débitos já vencidos. De acordo com o tempo de atraso, os pagamentos que não estão em dia passam a ser negociados junto a empresas especializadas — e identificar com quem tratar é um bom começo.

Vale destacar que na maioria das vezes é possível parcelar os valores atrasados, e que, após pagar a primeira prestação de um acordo, já ocorre a exclusão do apontamento nos órgãos de proteção ao crédito.

7. Analise a possibilidade de usar o FGTS

Se você contribui com o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) há pelo menos três anos, contínuos ou não, você pode utilizar o saldo da sua conta vinculada na compra do imóvel — isso ainda que ela esteja ativa, desde que sejam cumpridos alguns critérios.

Entre esses requisitos está o imóvel se localizar na mesma cidade onde você mora ou trabalha e não haver nenhum financiamento pelo Sistema Financeiro da Habitação (SFH) em seu nome.

Comprovadas as condições favoráveis à utilização dos valores depositados, você pode exercer o seu direito de empregar tais recursos para pagar pela aquisição imobiliária.

Tal quantia pode ser revertida para compor o valor da entrada, abater até 80% de 12 prestações consecutivas ou quitar o financiamento. Já se o saldo dos depósitos estiver em uma conta inativa — que é aquela que não recebeu depósito desde o dia 31 de dezembro de 2015 —, ele poderá ser utilizado livremente.

Para saber em qual situação você se enquadra e se usar o FGTS é uma possibilidade, basta consultar o seu extrato completo. Ele é disponibilizado no site do Fundo e apresenta todas as contas vinculadas do FGTS para o número de inscrição informado.

Lá, você vai encontrar os valores atualizados e cada um dos lançamentos feitos nas suas contas a partir do depósito inicial.

8. Junte recursos para o valor da entrada

Quando se tem o propósito de comprar um imóvel por meio de financiamento imobiliário, é fundamental poder contar com o valor da entrada. Sem essa quantia não é possível realizar a aquisição, pois é necessário pagar uma porcentagem do valor total da propriedade ao contratar o crédito imobiliário.

Essa quantia varia, mas costuma ser necessário ter no mínimo 10% do valor do imóvel para dar a título de entrada. Esse valor pode ser muito mais alto, dependendo das particularidades de cada negociação.

A boa notícia fica por conta de ser possível parcelar a entrada. Tal condição diferenciada tende a ser obtida no financiamento realizado diretamente com a construtora.

Isso acontece porque as melhores empresas do ramo costumam viabilizar fluxos de pagamentos capazes de caber no bolso do comprador. Dependendo do caso, o sinal pelo imóvel chega a ser parcelado em até 72 vezes, ficando bem mais simples de pagar.

9. Reúna a documentação para solicitar o crédito

Para financiar um imóvel é preciso apresentar uma série de documentos e comprovações. São certidões e registros que servem para atestar a identidade, o estado civil e a regularidade do comprador junto à Receita Federal.

Os ganhos que formam a renda pessoal e ou familiar também precisam ser comprovados, pois serão avaliados na etapa de análise da capacidade de pagamento. Essa papelada, embora não inclua documentos difíceis de conseguir, pode demandar certo tempo até ser completamente reunida.

Por isso, assim que decidir partir para a aquisição do imóvel próprio, comece a juntar os originais que comprovam sua situação civil e sua renda bruta. Na maioria dos casos é solicitada a apresentação dos documentos originais, portanto, caso falte algum deles, providencie-os o quanto antes. Dessa maneira, você afasta o risco de ver seu financiamento atrasar na fase da documentação.

Como funciona o financiamento imobiliário?

Como funciona o financiamento imobiliário?

No conteúdo acima, você já teve uma ideia básica de como funciona o processo de obtenção de um financiamento imobiliário. No entanto, agora, vamos aprofundar os seus conhecimentos, mostrando como funciona e qual a ordem mais comum das principais etapas. Continue sua leitura!

Tudo começa com a simulação

A primeira etapa de qualquer financiamento imobiliário deve ser a simulação. Afinal, é nesse momento que você vai compreender quais são as propriedades que estão em sintonia com as suas finanças, conhecendo os valores envolvidos no negócio, como a entrada, as prestações, a incidência de juros, o custo efetivo total e assim por diante.

Felizmente, existem excelentes simuladores no mercado, sendo que algumas instituições oferecem o serviço gratuitamente na internet, por meio dos seus sites oficiais e/ou aplicativos. Ao descobrir qual é a faixa de preço que se adequa às suas possibilidades de pagamento, é hora de escolher o imóvel de sua preferência e enviar a sua proposta. 

Prossiga para a análise de crédito

A etapa seguinte é a análise de crédito, na qual a instituição de sua escolha buscará compreender se você tem dinheiro para pagar o empréstimo. Para isso, você deve preencher uma proposta e enviar uma série de informações solicitadas pelo banco, como número de identidade, CPF, renda e outros dados relativos à sua atividade profissional.

Você também deverá apontar qual o imóvel de sua escolha, bem como suas características e localização. Serão solicitados os documentos adicionais que deverão ser apresentados para checagem e corroboração. Para quem deseja utilizar os recursos do FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço), é preciso levar todos os extratos originais.

Vistoria técnica da propriedade

Depois, chega o momento da famosa vistoria técnica, que é um processo indispensável e muito relevante no financiamento imobiliário. Para isso, o banco designará um profissional autorizado, que checará a documentação, verificando itens como certidões negativas de débitos federais, estaduais e municipais, como o IPTU. 

Depois, será a hora de avaliar o imóvel propriamente dito, com a presença de um engenheiro ou arquiteto credenciado. O objetivo desta etapa é o de confirmar a compatibilidade entre o preço solicitado e o valor de mercado, bem como se o lugar está de acordo com todas as exigências legais, como boas condições de habitabilidade. 

Contrato e liberação do crédito

Vencida a etapa anterior e com todas as condições atendidas, chegou a hora dos trâmites finais do financiamento. É preciso, por exemplo, efetuar um seguro habitacional obrigatório e marcar uma data para que todos os envolvidos possam se apresentar para assinar o acordo. São eles o comprador, o vendedor e o representante da instituição.

Depois da assinatura, é preciso fazer o pagamento do ITBI (Imposto de Transmissão de Bens Imóveis), para posterior registro em cartório. Para isso, não podem haver pendências ou detalhes em aberto. Finalmente, depois de alguns dias, os recursos são liberados para o pagamento e você terá realizado o sonho da casa própria.

O que é preciso para financiar um imóvel?

O que é preciso para financiar um imóvel?

Se você chegou até aqui, você já sabe o que é preciso para financiar um imóvel. Antes de mais nada, você deve caprichar no planejamento financeiro, pois não dá para cogitar uma aquisição de porte tão elevado se o seu orçamento estiver desorganizado ou, pior ainda, você tiver dívidas em aberto e juros para pagar todos os meses.

Feito isso, você pode começar sua pesquisa por propriedades e pela instituição financeira que mais se aproxime de suas demandas e expectativas. No Brasil, o maior concessor de crédito no segmento é a Caixa Econômica Federal, que conta com ampla expertise no ramo e dispõe de linhas variadas, algumas das quais a partir de programas do Governo Federal.

Quais as melhores dicas de gestão financeira?

Pronto! Você já adquiriu conhecimentos suficientes para partir para um financiamento e experimentar todos os benefícios de ser dono do seu próprio imóvel. No entanto, é sempre bom aprender um pouco mais sobre gestão financeira. Para concluir o conteúdo, vamos oferecer algumas dicas práticas nesse sentido. Veja.

Conheça seus ganhos e despesas

Não é recomendável contratar um financiamento imobiliário sem conhecer bem seus ganhos e despesas. E, ao contrário do que muita gente pensa, isso não consiste em apenas saber qual o seu salário ou suas principais contas: existem muitas variáveis na equação. Além disso, é preciso compor a renda, caso você tenha um cônjuge ou outro parente economicamente ativo.

Liste os ordenados e recebimentos de todos da casa que contribuam financeiramente. Lembre-se que isso só deve incluir o líquido, que efetivamente vai para a conta de vocês. Depois, some todos os gastos, fixos ou variáveis, e faça a subtração. É a partir de tal quantia que você pode começar a avaliar uma parcela ou prestação. 

Verifique a possibilidade de cortes

É bem provável que você tenha tomado um susto com algumas despesas, pois é comum que a gente não perceba o quanto gastamos com pedidos em delivery ou serviços que não usamos tanto, como pacotes de TV a cabo ou celular. Com tais informações em mãos, vocês podem conversar sobre o que pode ser eliminado e o que é essencial.

Pequenas mudanças podem fazer grandes diferenças. Que tal, mesmo que temporariamente, reduzir os pedidos de comida e começar a levar quentinhas para o trabalho? Além de custarem menos, elas podem ser mais saudáveis. O importante é saber analisar o que não é tão imprescindível e ter foco no seu objetivo principal.

Não perca o foco no seu sonho

Por fim, vale relembrar que o processo de aquisição de um imóvel não é rápido e envolve algum comprometimento por parte de todos os familiares. Uma compra tão positiva, logicamente, também cobra o seu preço, mas ele é amplamente compensado por toda a segurança, conforto, liberdade e felicidade que um imóvel próprio oferece.

Um pouco de sacrifício pode ser importante em um primeiro momento para a realização de um sonho tão bom e todos devem se envolver nesse processo, contribuindo da maneira que puderem. Portanto, nas horas difíceis, lembre-se do seu grande objetivo e não desista dele: vale muito à pena!

Agora você já está por dentro do que fazer para conseguir seu financiamento de imóveis e mais perto de realizar seu sonho da casa própria. Seguir as nossas dicas a traçar corretamente o perfil da futura residência significa sucesso na aquisição. Por isso, reflita bastante sobre a configuração da moradia que vai atender às suas necessidades e expectativas. Daí por diante, é só encontrar o seu lugar ideal e fazer dele uma realidade para desfrutar com toda a segurança e conforto de morar no que é seu!

Que tal saber, em primeira mão, dos assuntos que mais interessam a quem pensa em comprar um imóvel? Assine a nossa newsletter e fique sempre bem informado sobre dicas e temas relevantes ligados à aquisição imobiliária!

Faça seu cadastro e receba tudo por email!

Confira também

5 comentários em “Financiamento de imóvel: veja 9 dicas para conquistar a casa própria”

  1. juliana disse:

    oi gistaria saber a respeito compra imovel 96894965o

    1. Ana Paula disse:

      Entre com contato com nosso consultor online no fim da página que ele fará uma simulação baseada na sua renda. Aí você saberá se consegue financiar um imóvel neste valor e ainda te dará uma previsão de quanto será suas parcelas e te indicará imóveis disponíveis pra venda.

  2. Gisele disse:

    Quero fazer uma simulação

    1. Ana Paula disse:

      Para fazer uma simulação, por favor entre em contato com um de nossos corretores online!

  3. TRIUNFO IMÓVEIS disse:

    Gostei do artigo, ótimo conteúdo explanado!!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *