Refinanciamento de imóvel: quando é possível entrar com o recurso?

Refinanciamento de imóvel: quando é possível entrar com o recurso?

Inúmeros bancos podem conceder o refinanciamento de seu imóvel. Uma das vantagens desse fato é que não há um foco específico e tal ação pode ser aplicável em diversos projetos.

Qualquer pessoa que precisar de créditos para financiar um apartamento novo, pensando no futuro dos seus filhos, por exemplo, pode solicitá-lo a qualquer momento. O interessado deve ir até uma instituição financeira ou, por meio do site, fazer uma simulação do crédito pretendido. Esse meio facilitou a vida da população que já tem sua casa própria e também registrada em seu nome.

Pesando nisso, preparamos este post para que você saiba como refinanciar sua casa ou apartamento de forma correta e segura. Continue a leitura e confira!

O funcionamento

A Caixa Econômica Federal é um dos bancos que disponibiliza esse financiamento e exige alguns requisitos para aprová-lo. Você concede, ao banco, seu imóvel, uma vez que ele servirá como garantia do valor desejado. Qualquer pessoa física com uma propriedade registrada em seu nome poderá solicitar o refinanciamento de imóvel, mas a parcela do empréstimo ficará limitada a 30% da renda líquida do solicitante.

O cliente pode usar o limite como quiser, que variará de R$ 20.000 mil reais até 50% do valor da propriedade, diversificando de acordo com a remuneração de cada pessoa. No refinanciamento de imóvel, o prazo para o pagamento é estendido com duração de até 240 meses. Além disso, há uma praticidade nas prestações mensais, pois elas são decrescentes e descontadas automaticamente de sua conta corrente.

A concessão

O interessado deve ir até o banco e fazer uma simulação do empréstimo. Ele também deverá apresentar a matrícula atualizada do imóvel que servirá de garantia, visto que ele será avaliado pelo corretor da agência. Sendo aprovado, o imóvel terá seu valor estipulado e o proprietário solicitará a quantia do empréstimo desejado.

Nesse viés, é preciso mostrar, ao funcionário da agência, documentos pessoais, que incluem, geralmente, o Registro Geral (RG), o Cadastro de Pessoa Física (CPF), os dados para contato (telefones, e-mail e endereço), um comprovante de residência, um comprovante de estado civil e um comprovante de renda mensal.

As vantagens do crédito pessoal

A taxa de juros é um dos componentes que mais importam diante de um financiamento. No crediário do refinanciamento de imóvel, há três tipos de juros. O primeiro é a cobrança do IOF (Imposto sobre Operações Financeiras); o segundo é o prêmio dos seguros de morte ou invalidez permanente (MIP) e o terceiro é o de Danos Físicos do Imóvel (DFI), conforme alíquotas vigentes.

Outrossim, as vantagens são :

  • juros baixos: com um valor de R$ 50 mil reais dividido em 12 parcelas fixas, por exemplo, ao estabelecer uma quantia de 3% ao mês de juros cobrada pelo empréstimo pessoal, o valor final será de R$ 61.560,76. Porém, se a mesma quantia de R$ 50 mil reais for utilizada em cartão de crédito, o cliente terá que pagar 87.462,07;
  • valores altos: o cliente conseguirá dispor de um valor a partir de R$ 20.000 mil reais, até 50% do valor da casa oferecida como garantia;
  • prazo longo: as parcelas serão divididas em 240 meses para a quitação do empréstimo, isto é, em 20 anos.

Nessa análise, se a pessoa for comparar essa linha de crédito às outras existentes nas instituições financeiras, certamente, verá que a de crédito especial será muito melhor.

E aí, gostou do nosso texto sobre refinanciamento de imóvel? Ele foi útil para você? Deixe seu comentário e compartilhe quaisquer dúvidas que tenham restado.

banners_guiadofinanciamento_post

Faça seu cadastro e receba tudo por email!

Confira também

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *